ROTEIRISTA

EMPREENDEDOR

O tal do “Testamento Artístico”

18.07.2017

 

Muita gente se pergunta o que é o tal do testament artístico, aquele texto que todo concurso de roteiro e edital do FSA ou Ministério da Cultura pedem para que o roteirista escreva, explicando a sua visão do filme. Pois é, não é um texto tão fácil assim de se escrever, porque exige do roteirista também uma certa visão de diretor.

 

Qualquer um que resolva escrever um roteiro na verdade está narrando em texto aquele filme maravilhoso que já está passando em sua cabeça. O escritor vê em sua mente os cortes, as cores, eventualmente até mesmo atores e atrizes que interpretarão suas personagens (isso de escrever para um ator ou atriz específico traz vários problemas, mas por sabe-lo inevitável em algumas situações, melhor abordar este assunto em outro post).

 

Todo roteirista é o primeiro diretor de sua obra.

 

Tendo isso em mente, o testamento artístico não devia ser algo tão complicado. Mas é. Então, para facilitar a vida dos iniciantes, preparei este checklist, com base em muitas pesquisas e na minha própria experiência, e é um checklist que mistura a visão do roteirista com a do diretor, portanto é bem extenso:

 

1. Escreva de dentro para fora: use os três círculos do “Por quê? – Como? – O quê?”, entenda mais sobre isto neste vídeo aqui:

 

 

2. Paixão: por que você é apaixonado por este script?

3. Sentimento: como a plateia deve se sentir durante e após o filme?

4. Inspiração: canções, artistas, outros filmes etc.

5. Sobre a estória: Do que ela fala? Qual é o gênero (comédia, drama, suspense etc.)? Quando a história se passa? Qual é a duração temporal da trama, são vinte anos da vida pro protagonista? Dez? Um dia? Qual é o objetivo do herói? Qual é o clímax?

6. Estilo: irreal (romantiza e suaviza o mundo real, como “Uma Linda Mulher”), real (direto na veia como “Requiem para um Sonho”) ou surreal (Dalí na essência, como “Veludo Azul”).

7. Casting: qual é o tipo de pessoa para cada papel? Vá além da descrição física, aliás, traços físicos só devem ser mencionados se forem relevantes dramaturgicamente. Isso é especialmente importante quando falamos de cor da pele, muita gente gosta de dizer se o personagem é branco ou negro mesmo quando isso não faz diferença nenhuma na trama.

8. Edição: cortes rápidos adicionam tensão, takes longos são mais contemplativos, você antevê transições diferentinhas?

9. Como é a trilha sonora?

10. Efeitos especiais: muitos? Caros? Simples? Mecânicos ou CGI?

11. Temas: qual é a ideia central do seu filme? E os temas secundários? Qual é o subtexto?

12. Visão: Como vai ser a atuação? E o visual? Qual será o estilo de filmagem, muita câmera na mão, mais ágil? Como será a cor, o clima? E os efeitos sonoros?

 

Se você for apenas roteirista, não foque tanto em termos técnicos ao abordar os itens 8, 10 e 12. Mas dê exemplos ou descreva de forma sucinta o que você quer.

 

E o mais importante de tudo: faça do seu texto algo fluido, gostoso de se ler e sem erros de concordância e ortografia. Um roteirista que erra na escrita nunca será levado a sério, é como um médico careca que se especializa em calvície. Você confiaria suas madeixas que caem a um cara assim? Agora imagina o estúdio, que está considerando colocar algumas dezenas de milhares de reais na sua mão?

 

Gostou do artigo? Deixe seu comentário, compartilhe e se você ainda não adquiriu seu livro digital, adquira AGORA. Dê o start na sua carreira.

Please reload

O MELHOR PONTO DE PARTIDA

PARA NOVOS ROTEIRISTAS

Contato

Av. Bernardo Vieira de Melo, 2143 lj 07 

cxpst 023, Jaboatão dos Guararapes-PE

54410-010

roteiristaempreendedor@gmail.com

  • Branco Facebook Ícone
  • Branco Twitter Ícone
  • Branca Ícone Instagram

© Copyright 2015 Roteirista Empreendedor

Labonia Photo & Video LTDA. - www.roteiristaempreendedor.com

Contato Imprensa e Apoio - roteiristaempreendedor@gmail.com